Prezado usuário, o objetivo deste site é incentivar a leitura através de dicas e download de livros.

Somente os livros de “Domínio Público” possuem opção de download, entretanto, abaixo da descrição de cada livro, aparecem links que levam ao endereço onde você pode comprar o livro através de nossos parceiros e a opção de pesquisar o preço do livro em diversas lojas para que você possa comprar sempre pelo menor preço.

“Respeite os autores, só adquira livros originais.”

admin on setembro 3rd, 2009

Tweetar Esta obra publicada em 1888 é um romance naturalista, onde o autor aborda temas polêmicos que a literatura da época procurava ignorar como divórcio, amor livre e um novo papel para a mulher na sociedade. Texto condensado (Celso Leopoldo Pagnan) enriquecido com notas explicativas, Biografia e Bibliografia do autor. Para ajudar na compreensão do […]

Continue lendo sobre: Júlio Ribeiro – A carne

admin on agosto 31st, 2009

Tweetar Na estrada que conduz de Lisboa a erguia-se há poucos anos uma casa de bonita aparência, com sua vinha verdejante, seu pomar odorífero, seu jardim pequeno, mas bonito, suas alamedas, curtas mas frondosas. O muro da quinta era alto bastante, e contudo os ramos das faias e dos choupos gigantes debruçavam-se sobre ele, assombrando […]

Continue lendo sobre: Casimiro de Abreu – Carolina

admin on agosto 31st, 2009

Tweetar Um dia – além dos Órgãos, na poética Friburgo – isolado dos meus companheiros de estudo, tive saudades da casa paterna e chorei. Era de tarde; o crepúsculo descia sobre a crista das montanhas e a natureza como que se recolhia para entoar o cântico da noite; as sombras estendiam-se pelo leito dos vales […]

Continue lendo sobre: Casimiro de Abreu – As Primaveras

admin on agosto 28th, 2009

Tweetar A casa que os Maias vieram habitar em Lisboa, no outono de 1875, era conhecida na visinhança da rua de S. Francisco de Paula, e em todo o bairro das Janellas Verdes, pela casa do Ramalhete ou simplesmente o Ramalhete. Apesar d’este fresco nome de vivenda campestre, o Ramalhete, sombrio casarão de paredes severas, […]

Continue lendo sobre: José Maria Eça de Queirós – Os Maias

admin on agosto 28th, 2009

Tweetar Aspiração… desejo aberto todo Numa ânsia insofrida e misteriosa… A isto chamo eu vida: e, d’este modo, Que mais importa a forma? Silenciosa Uma mesma alma aspira à luz e ao espaço Em homem igualmente e astro e rosa! A própria fera, cujo incerto passo Lá vaga nos algares da deveza, Por certo entrevê […]

Continue lendo sobre: Antero de Quental – Antologia

admin on agosto 27th, 2009

Tweetar “A princesa de Babilônia” é uma novela de leitura agradável, além de extremamente instrutiva. Voltaire apresenta, concomitantemente: amor ingênuo e puro, amor carnal, fidelidade e traição, amizade, ódio, vingança, inveja, prazer e dor, guerras, mortes, ressurreição, afeição e respeito pelos animais. O jovem herói Amazam se apaixona por Formosante, a princesa da Babilônia. Julgando-se […]

Continue lendo sobre: Voltaire – A Princesa de Babilônia

admin on agosto 27th, 2009

Tweetar O sorriso dos velhos é porventura uma das coisas mais adoráveis do mundo. Não o era porém o de João Barbosa no último dia de setembro de 1868, riso alvar e grotesco, riso sem pureza nem dignidade; riso de homem de setenta e três anos que pensa em contrair segundas núpcias. Nisso pensava aquele […]

Continue lendo sobre: Machado de Assis – A melhor das noivas

admin on agosto 27th, 2009

Tweetar CRISÂNTEMOS Sombrios mensageiros das violetas, De longas e revoltas cabeleiras; Brancos, sois o casto olhar das virgens Pálidas que ao luar, sonham nas eiras. Vermelhos, gargalhadas triunfantes, Lábios quentes de sonhos e desejos, Carícias sensuais d´amor e gozo; Crisântemos de sangue, vós sois beijos! Os amarelos riem amarguras, Os roxos dizem prantos e torturas, […]

Continue lendo sobre: Florbela Espanca – A Mensageira das Violetas

admin on agosto 26th, 2009

Tweetar A obra já começa a intrigar pelo título, um paradoxo: como pode um banqueiro, o homem do dinheiro, ser também um autêntico anarquista? Eis um verdadeiro mistério, um crime contra a lógica, que talvez explique o motivo de Fernando Pessoa ter classificado seus contos O Banqueiro Anarquista entre eles como policiários ou de raciocínio. […]

Continue lendo sobre: O Banqueiro Anarquista – Fernando Pessoa

admin on agosto 26th, 2009

Tweetar Na obra de José de Alencar, Cinco Minutos, publicado em 1856, inclui-se entre os chamados romances urbanos, que retratam os costumes da sociedade carioca do Segundo Reinado. Principal escritor brasileiro do período do Romantismo, José de Alencar publicou vinte romances, nos quais procurou mapear o país em todas as suas dimensões, utilizando os recursos […]

Continue lendo sobre: José de Alencar – Cinco Minutos